sábado, 1 de março de 2008

Lula não sabe o que é democracia

Vejam que falta faz um pouco de cultura a um cidadão. Se Lula tivesse tido a humildade de sentar nos bancos acadêmicos e aprender um pouco de Ciência Política e Teoria do Estado, saberia que, num sitema democrático, é essencial que um Poder controle o outro, a fim de que não haja abuso. Lula quer governar sem oposição e sem que os outros Poderes, no caso o Judiciário, cumpram o seu papel. Já tentou calar o Legislativo, comprando deputados com o famigerado mensalão. Agora, mostra que não entende o papel do Judiciário de controle do Executivo, em defesa da Constituição. Os textos abaixo são do jornalista Reinaldo Azevedo, um dos mais ácidos críticos do governo Lula. Ele escreve diariamente em seu blog, cuja leitura eu recomendo. Suas posições são conservadoras, mas ele cumpre muit bem o papel da imprensa numa democracia, que é ser crítica aos que estão no poder. O endereço é: http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/


Lula não sabe o que é democracia. E não saberá nunca

Naquele videozinho que há aí na coluna à esquerda do blog, afirmo que Lula não é Hugo Chávez, não é de fato. Mas não porque não queira, e sim porque não pode. A tentação é grande. Leia o que vai abaixo, por Leonencio Nossa, de O Estado de S.Paulo. Volto depois:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliou nesta sexta-feira, 29, que não há uma crise entre Executivo e Judiciário. Reafirmou, porém, as críticas feitas na noite de quinta a declarações do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) . Sem a irritação e emoção do comício em Aracaju, Lula manteve as palavras duras: "É importante ter claro que no Brasil, quando se trata de palpite e opinião, as pessoas precisam concordar que outras podem dar palpite e opinião diferente das delas".

No comício de quinta a noite, Lula reagiu a uma declaração do ministro Marco Aurélio que questionou os programas sociais do governo definindo-os como eleitoreiros.

"Primeiro: eu não citei o nome do ministro; segundo: eu disse que se a lógica prevalecer, o governo federal não poderá fazer parcerias com municípios e Estados em ano de eleição, e que, num mandato de quatro anos, vai governar dois anos", afirmou em entrevista. E continuou: "É impossível governar o Brasil de forma diferenciada, fazendo justiça, se não envolver pacto federativo com Estados e municípios. São os municípios que estão na ponta".
O presidente frisou que o cartão do Bolsa-Família, programa visado pela oposição, não é entregue pelo presidente da República, mas pelos prefeitos de todos os partidos políticos. "Eu não sei de uma única pessoa por nome que recebe o Bolsa-Família", disse.

Lula também comentou as reações de parlamentares às suas declarações: "O Congresso tem direito de não gostar, mas eu não falei do Congresso. Falei de partidos". Ressaltou ainda que o PSDB e DEM estão questionando os programas sociais do governo por ser este um ano eleitoral.

Para ele, a troca de farpas entre os poderes da República não representa uma crise: "Não tem, não existe crise de poderes neste País. Até porque cada poder tem autonomia suficiente. E aprendemos que a estabilidade da democracia está no fato de respeitar a autonomia de cada um."

E completou: "da mesma forma que como ser humano e brasileiro as pessoas dão palpite sobre as coisas, o presidente da república pode dar palpite e julgar o palpite dos outros. Afinal de contas, estamos num debate político. "Quanto alguém dá uma opinião, pode ouvir uma opinião discordante".

ComentoTrata-se de delinqüência política, pura e simplesmente. Nas democracias, líderes usam a sua popularidade para encaminhar reformas que melhorem a vida da população. O Apedeuta usa a sua como instrumento de chantagem. Dêem uma olhada nas críticas feitas ao Congresso e ao Judiciário e depois pense: o que aconteceria com Bush se fizesse o mesmo nos EUA? O que aconteceria com Sarkozy se a tanto se atrevesse na França?

Mas aqui pode. Porque aqui, aos poucos, tudo vai podendo. Pior: ao tratar do assunto, os auxiliares de Lula, em vez de jogarem água na fervura, como seria o normal, põem ainda mais lenha na fogueira, como fez ninguém menos do que o ministro da Justiça, Tarso Genro. Comportam-se como completos irresponsáveis.

Lula não entendeu ainda a democracia. Não vai entender nunca. Não está aparelhado para isso. Ele entende é a linguagem de chefe de sindicato — que não se distingue, às vezes, do comportamento de chefe de máfia. Para maiores esclarecimentos, assistam ao filme Sindicato de Ladrões, do grande Elia Kazan. Por ali,o chefão bate na mesa, e a malta obedece sem dar um pio. Se necessário, saem às ruas de porrete na mão.

Se o país estivesse crescendo 13%, Lula baixava o AI-5

Vejam vocês.

A economia brasileira cresce 5% ao ano, e Lula chuta o traseiro do Judiciário e do Legislativo com aquela sua sem-cerimônia de sempre, como se estivesse numa mesa de boteco, numa rodada de truco, com o cotovelo apoiado no balcão, friccionando, volta e meia, a Nederland, um palito preso entre os dentes, cuspindo, de vez em quando, à distância, dando uma pinguinha pro santo.

Essa vulgaridade toda dá nojo. Recende ao mundo-cão da democracia. Isso nada tem a ver com a cultura operária, não, senhores! É depredação da institucionalidade. Só isso.

Imaginem se o país crescesse a taxas de 11% a 13% ao ano, como aconteceu durante a ditadura militar... O que ele não faria? Já teria proposto, quem sabe?, o paredão democrático. Ou um novo AI-5.

Amanhã, aguardem para ver, aparecerão os tocadores de tuba para garantir que isso não tem a menor importância; que há gente querendo magnificar o problema; que, se Lula é assim, as oposições, o Congresso e o Judiciário não são muito melhores. Como se o chefe do estado e do governo não ocupasse uma posição ímpar nisso tudo.

Lula não reconhece o valor da democracia, não. Embora ela lhe tenha franqueado o poder, ele, com efeito, a detesta. Revelou isso há dois dias, não foi? “Se eu pudesse, resolveria tudo por decreto”. Vai na frase uma confissão: “Eu, Apedeutakoba, acho que decreto é que resolve”. A exemplo dos decretos-lei da ditadura.

O sujeito entrou na política na vigência da ditadura. Seu sonho, como se vê, não era acabar com ela, mas substituí-la. Ainda não pode. Na sua fantasia, um dia chega lá.

3 comentários:

Ronei J.S. Melo disse...

"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las" Voltaire

Realmente, o presidente Lula quando fala com toda aquela emoção
sempre deixa escapar algo que o põe em situação de risco...

Mas devemos lembrar que, o autor está sendo radical de mais em suas palavras, como se o Lula fosse o pior dos homens, coisa que não chega a ser...

Fato é que ele é um presidente com suas qualidades e seus defeitos, como o foi FHC...Deixe o coitado falar, QUE ditador ele nunca vai ser mesmo, por mais que quisesse, não teria apoio da grande mídia...fator crussial caro Kanne...

em todo caso, termino como comecei...
"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las" Voltaire

Gabriel Rangel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gabriel Rangel disse...

Acho eu que muitas vezes esse é o problema do Lula. Falar com a emoção, se esquecendo completamente da razão.
Não seria ele, que ocupa a cathedra mais alta do país, aquele que deveria ser o mais frio possível?

Apoio da grande mídia não é extremamente necessário. Como se constrói um ditador?
A mídia pode (como já foi na ditadura) calada, será que é só do apoio da mídia que se cria um ditador?
Temos países hermanos que são exemplos vivo disso.

E exatamente por ele ser um presidente, que se exije um mínimo CONHECIMENTO. Concordo quando é dito que faz uma falta enorme ele sentar em bancos escolares.
O princípio da independencia entre os Poderes que ele tanto fala, é um dos que ele menos respeita, lotando as Casas com suas MPs que muitas vezes não tem nada de "urgente e relevante".

Eu concordo com a crítica do autor.
A mídia TEM esse papel. Ainda mais no Brasil, aonde poucos usam do cérebro e muitos são comprados por bolsas-escolas, bolsas-isso e bolsas-aquilo, onde a maioria da população não cobra em nada os seus políticos.

O Lula não é o pior dos homens, mas infelizmente é um dos piores presidentes.
Com todo o respeito ao cargo, mas o Lula não é uma pessoa preparada para isso.
O "dialogo" com nossos vizinhos sulamericanos prova isso.
Os escândalos mostram isso.
E mais recentemente, a crítica ao Judiciario (infundada) mostra isso.
Ou você realmente acredita que ele não sabe de nada?

"A democracia, mais do que qualquer outro regime, exige o exercício da autoridade".
-Saint-Jonh Perse